Conheça as músicas do novo álbum!

Postaremos aqui uma descrição das 12 faixas do álbum Evanescence junto com as possíveis letras, lembrando que as letras não são oficiais, são apenas o que nós da equipe do IE conseguimos compreender. Comente abaixo suas expectativas e opiniões quanto ao novo álbum. E, só lembrando, links de download não são permitidos aqui :{

What You Want: compre aqui.

Made Of Stone: começa já com o rock forte mostrando a que veio e em seguida temos o uso de um delicado timbre eletrônico bem cintilante e puro. A voz de Amy vem de uma maneira muito sensual, se misturando ao elemento eletrônico mais presente e remetendo, de certa forma, ao Nine Inch Nails. Durante a ponte, o clima muda para algo bem como uma essência, mas ainda forte e decidida. O agudo especial na voz de Amy neste momento e a guitarra totalmente nova de Terry marcam também essa parte da música.

The Change: o violoncelo faz uma pequena e forte presença para que rapidamente você seja levado à melodia principal da voz de Amy. Ao fundo, as guitarras continuam marcando o ritmo, como uma respiração que insiste em existir apesar da evanescência. No pré-refrão, o piano de Amy pontua como gotas anunciando a majestade do refrão, feito graças às guitarras e à orquestra. Na ponte, as cordas ajudam a voz de Amy a convencer você de seu pedido.

My Heart Is Broken: melodia decrescente que muda drasticamente para velocidade com a bateria. Uma das letras mais apaixonadas e diretas do CD; o refrão é esse mesmo "my heart is broken". Pode ser considerada a mais emotiva do álbum.

The Other Side: bem semelhante à versão ao vivo, há efeitos eletrônicos na voz de Amy durante a ponte.

Erase This: a melodia divertida do piano que entra junto da bateria dá uma atmosfera um pouco anos 1980, que se mantém durante toda a música até os refrões, mais prolongados mas igualmente agitados. A ponte é uma mudança brusca neste clima; o piano anuncia esse choque junto dos violinos até a sua metade. Quando voltam as guitarras, a agitação se torna etérea.

Lost In Paradise: bem daquele jeitinho que mostrou a prévia da MTV, a música começa num espírito etéreo, muito distante e maduro, acompanhado em seguida da orquestra. Após dois minutos que mais parecem uma longa introdução, devido à consistência da canção, as guitarras vem e ficam até o final da faixa. Igualmente consistente, até os últimos segundos o clima se mantém quando o piano solo volta só para anunciar o fim da faixa.

Sick: iniciando logo com o moogs, o baixo em seguida aparece para mostrar a que veio. Quando a voz de Amy entra, a bateria marca presença de forma bem tribal. No pré-refrão, vêm finalmente as guitarras fortes e ficam até a segunda parte da música começar, retornando assim ao clima doentio e vivo do início da faixa. Antes de iniciar o terceiro refrão, Amy canta uma frase a capella com efeitos eletrônicos, que também marcam presença no final da música encerrando num clima de ruído.

End Of The Dream: guitarras já mostram o seu serviço e a voz de Amy entra de uma maneira complementar, bem melódica e calma, novamente com os unitários sons do piano, pontuados ao longo da estrofe e do refrão. Com direito à paradinha na segunda estrofe, a música se mantém assim até seu final.

Oceans: o moog forte no início da canção já promete outra atmosfera para essa música. Em seguida aparecem a voz de Amy e a bateria. Ele só dá espaço para entrarem as guitarras, que no refrão seguem fortes e acompanhadas de bastante segunda-voz. A mesma fórmula se repete para a segunda estrofe e a repetição do refrão. E o solo antes do refrão final é quase tão fantástico como daquele ao vivo que já conhecemos. Pro final, um rompimento brusco. A voz de Amy fica solo na última sílaba, e os violinos e violoncelos entram para dar seu último e rápido adeus sufocante.

Never Go Back: guitarras detonando, entra a bateria, entra a voz. E no refrão temos o piano novamente, daquele jeito pontuado. Novamente mais uma paradinha na segunda estrofe e entra a orquestra na repetição do refrão. No solo, quem predomina é o piano, acompanhado das guitarras e da bateria agora mais calmas, numa melodia descrescente em contraste com a voz que se mantém por um bom tempo numa nota só. A orquestra reaparece com os instrumentos todos de novo e no fim, todos decaem de ritmo até reaparecer o piano, novamente decrescente. A guitarra fica um bom tempo ligada no amplificador.

Swimming Home: harpa e eletrônico. É a música mais Björk do álbum. A voz de Amy aparece etérea e assim permanece a música inteira. Você mal consegue identificar que a música acabou. Praticamente indescritível.

 

OBS: Clique nas músicas para ver as letras

Your rating: Nenhum Average: 4.6 (11 votes)




icone do Facebook icone do Twitter
 
imagem de Miss Blunt

  Sei que muitos não gostaram

 

Sei que muitos não gostaram do novo album, não acho a Amy egoísta, acho que em Oceans ficou um bom trabalho, eles fizeram o trabalho todo juntos, se os meninos achassem que ela passou de um limite deveriam ter falado mas não aconteceu, eu gostei do album, tem músicas bem legais e outras nem tanto, mas isso acontece em todos os albuns.

imagem de lordmakius

A primeira vista....

A primeira vez que ouvi o álbum não me surpreendi com a minha reação, pois é muito mas muito raro eu gostar de um álbum de primeira, seja ele do Evanescence ou não, com o TOD foi a mesma coisa a primeira vez que ouvi eu durmi, mas depois gostei muito, não sei o porque disso não consigo me acostumar a primeira ouvida, geralmente poucas salvam, como a que eu mais curto a The Change por exemplo, mas enfim depois de ouvir várias e várias vezes aí sim comecei a curtir o álbum e vou te falar, escutar num fone de ouvido é bem melhor se percebe tudo que se utiliza nas músicas. Vou comentar sobre as músicas:

What You Want: Não tenho nada contra a música, por mim pode ser comercial que nem ligo, é como todo o primeiro single uma música que acaba grudando com refrões, particularmente gostei muito e de início comecei a pensar o que está por vir, o clipe também sempre me ajuda a gostar mais da música parece que o clipe dá um gás na música, geralmente música sem clipe não sinto tanta emoção, uhahauahua, vai entender.

Made of Stone: Não gostei a primeira vez que ouvi assim como muitas das outras, mas agora tô curtindo, é bem diferente do que o Evan foi e sinceramnete não é ruim não, eu acho que a banda tem que arriscar novas coisas sim, não aguento ouvir diversos álbuns semelhantes, ficaria chato.

The Change: Gostei desde quando apareceu em show, o áudio tava muito ruim e não ouvia direito, mas me cativou de primeira, não consigo pensar em outra para próximo single, a versão estúdio tá ótima e aquele começar lentinho e depois a bateria e os gritos, nossa a bateria parace que renasceu no Evan, antes parece que nem tinha tanta, estranhu tá tão presente agora.

My Heart Is Broken: Curti essa tbm, principalmente o início, tenhu um fraco por piano pois tenhu um teclado, não sei se o refrão dela ficaria legal no filme Crepúsculo, mas de toda forma curti a música sim.

The Other Side: Muuuuuito diferente do antigo Evan, mas não me cativou tanto, também não achei ruim, talvez falte ouvi-la mais.

Erase This: Também inicia como MHIB, e também gostei muito de toda ela, bateria, guitarras e tudo mais agora estão bem presentes, não há tantos solos no álbum é verdade, mas curti assim msm.

Lost In Paradise: Gostei também mas não acho superior a Lithium por exemplo, curto mais Lihtium, mas essa música é muito fera por exemplo no final, o grito, a ela sozinha no final.

Sick: Esta me confunde, uhahauahuah, às vezes gosto dela, às vezes não, mas o refrão eu curto e as pegadas eletrônicas no refrão também são legais, gosto de eletrônicos.

End of The Dream: Ainda não consegui me acostumar, acho ela meio confusa no refrão, também não é uma música ruim, o pianinho dela também é legal.

Oceans: Imaginava uma balada com esse nome, mas não veio, mas e daí, gostei dela sim mais na versão estúdio, do que naquele show pois nele não entendi nada da música, gosto do oooooooooo no refrão atrás da Amy, também achu que um single caíria bem.

Never Go Back: Por se tratar de um assunto como o ocorrido no Japão achei que fosse também uma baladinha, às vezes acho que pensamos assim pois no TOD tem muitas músicas com mais piano e talz fora que se refere ao Japão, achei que seria uma coisa mais desoladora, mas achei a mais pesada do álbum, nisso discordo de você Amy que falou que WYW seria a mais pesada, mas essa quando comecei a escutar até assustei, parecia que eu ouvia outra banda, huahauah, demorei a gostar dela, agora gosto muito principalmente do refrão como sempre a bateria arrasando.

Swimming Home: Estranhu uma baladinha ser a surpresa do álbum neh? No TOD isso era bem comum, é uma música que passa um sei lá de volta pra casa, repouso, descanso, principalmente depois de ouvir tanta bateria e tanto barulho das outras músicas, barulhos esse que gostei muito, é uma terapia no final.

Conclusão: Sei que muitos não curtiram o novo álbum e sei que outros amaram, creio que tal transformação é lógico que está ligado a união do grupo e participação de todos, imagina uma mesa cheia de pessoas discutindo sobre uma música, cada um quer dar seu toque, e não ficou um formato "Essa foi a Amy que fez" e talz, outra coisa é que quem curte o melancolismo da banda que eu curto muito, pode ter se decepcionado, também gostaria de mais baladas, mas entre um álbum idêntico ao TOD ou bem parecido e um novo álbum: prefiro um novo, e mais, quem às vezes nunca se interessou pelo Evan por achar que as músicas são tão épicas, cheio de baladas agora passou a gostar, prova disso é um amigo meu que escuta aqueles rocks pesadões que falou que não acreditava que era o Evan, que agora bater cabeça seria constante no show da banda. Minha análise é que o álbum está no nível que deveria estar, sim ouve uma pausa de muitos anos mas se eles fizem um álbum magnífico, no próximo reclamariam que ficou pior que esse. Enfim, o Evan pode perder fãs pode, toda banda tá sujeita a isso (Não curti o novo Within Temptation, O clipe de Faster é totalmente POP e Sinéad é discoteca no clipe, mas gosto da banda e sempre irei gostar) mas o Evan vai ganhar novos fãs isso você pode ter certeza. Essa análise demorou sair porque como eu disse a primeira vista raramente me simpatizo com algo. E QUE VENHA O ROCK IN RIO!!!!!!  

imagem de carolfs

Lista das que mais gostei!

Bom me surpreendi um pouco ao escutar pela primeira vez... bem q a Amy falou q era bem pesado o albúm hahaha mas agora já me acostumei e até q estou gostandoo, acho q eles evoluiram bastante ao apostar nisso, criar um novo som e tals...

 

Minha lista das musicas que eu mais gostei é:

1º - Lost in Paradise (desde o prview na MTV sabia q era magnífica, eu amei, é profunda, definitivamente a malhor balada da banda, deveria ser single)

2º - The Change (gostei da versão ao vivo, mas a de estúdio é perfeita, não sei o que me prendeu direito nessa música, mas achei muito envolvente, deveria ser single tambem)

3º - My Heart is Broken (achei totalmente a cara de Twilight, me faz relzar tambem haha bom eu adorei a atmosfera dela, talvez por não ser tão pesada quanto o resto do album, mas enfim single tambem)

4º - What You Want (o melhor dessa mudica para mim é a letra, o significado dela para nós e para banda, e realmente é o retorno deles marcando essa nova fase)

5º - The Other Side (no preview na MTV me pareceu um pouco sem sabor hahaha mas agora estou gostando bastante, principalmente na parte do piano, ficou um som muito legal)

imagem de JCrist

Sobre o novo album (ainda isso kkk)

Enfim... não tava on esses tempos então vou postar MINHA review agora...dps de tantas lol

O fallen foi uma dupla/trio Amy, Ben Amy,david, ben. Soou simples e comercial, tecnicamente falando. Apenas algumas faixas tinham potencial.

O the open door foi solo e dupla Amy e Amy e Terry. O álbum musicalmente flaando foi bem mais variado, com arranjos mais complexos e a guitarra como suporte. O papel dele foi ser um sucessor melhor do q o fallen já q a Amy keria provar ki nom precisava do Ben...

Já esse nvo album não teve como foco ser o sucessor do TOD, como a própria banda diisse em entrevista o album é mais simples, e tm o dedo de todos nas composições, é como se fosse um primeiro album hehe

Por isso eu gostei do album, pq já havia me preparado para seu conteúdo, pq se não estaria decepcionado tbm e ainda assim entendo kem ficou

Quanto mais "pesado" o som, mais as notas são mecanicas e mais difícil fica encaixar vocais nelas.Então por esse angulo é perfeitamente compreensivel a falta e falha de variações nas musicas. Logo, o defeito não é a Amy e o vocal dela mas sim refrões mal colocados :/

Pra mim a voz dela é forte o bastante sim pra cantar rock pesado, mas é mais interessante qnd a banda consegue um equilibrio maior do peso e do vocal feminino. Colocando algumas faixas totalmente focadas na banda e outras no vocal e no caso do ev em muitas faixas a Amy q tentou se adequar, parecendo duas musik's em uma só (e eu acho viagem dizer q o motivo disso foi ela achar q a voz dela é foda)

Ela folgou demais e deixou mto na mão deles e eles não entendem do lado melodico da coisa '-'

O que eu acho mais IRONICO é q mta gente dizia q keria a banda compondo mais, e qnd a banda compõe eles gostam mais da musica SOLO da Amy no album kkkkkk

 

imagem de Francy_Agonista

 Na verdade o instrumental

 Na verdade o instrumental não está tão simples, o vocal que está.

A Amy tinha potencial sim para acompanhar, mas não acompanhou ¬¬ (mesma egoísta de sempre só canta bem na musica que compôs sozinha).

 Nec spe, nec metu.
imagem de Sawyer

 Concordo, aas letras tão sem

 Concordo, aas letras tão sem sentindo e blabla é isso que tenho visto ultimamente, Báaat esse album não é sobre a vida da Amy, e ela já gritou isso aos quatro cantos um zilhão de vezes. Enfim quanto a "gritaria" no cd, no começo eu me estranhei, mas agora já me acustumei com isso.kk ESPERO QUE ELA AGUENTE TDAR TODOS ESSES GRITOS AO VIVO

 WAIT FOREVER FOR YOUR LOVE!

 

imagem de NoitaMina

Vi um monte de gente dizendo

Vi um monte de gente dizendo o mesmo, mas sabe que eu nem achei? xD

Amy continua escrevendo em primeira pessoa, ainda soa muito intimista, a diferença é só a melodia das músicas que tá mais agitada e o assunto que não é apenas sobre ela. As letras pra mim amadureceram um pouco. Claro que quando se olha uma My Heart is Broken ou a WYW(que pra mim tá mó incompleta, parece que deu preguiça de compor o resto e -qq) a gente nega no ato, mas tirando os termos mais teens da MHiB sobra só o romantismo da música sem a parte melosa. Essa faixa tem muita cara de romancinho YA mais por conta disso, mas nem vejo ela em Twilight. Acho mais fácil entrar em algum desses filmes que estão pra sair: próximo boom das telonas são anjos caídos. -q  o_o

imagem de André Lee

Após ouvir 1231543214 VEZES...me apaixonei

Confesso que algumas musicas soaram diferente, não gostei quando ouvi o album inteiro, faixa após faixa e td mais, Na realidade só gostei até a faixa 5 e de LOST in paradise

What you Want - Não gostei do preview da MTV, me assustei, mas após ouvir inteira, saber do que se trata a letra, me identifiquei muito, passa uma mensagem muito positiva, o refrão é chiclete mas a musica é muito boa

Made of Stone- Me apaixonei na primeira vez que ouvi, essa introdução com piano e guitarra, me cativou, o refrão tbm gruda na cabeça, e me lembrou muito o Evanescence de antigamente,além de tudo as guitarras parecem muito com o som do KORN...PERFEITA!

The Change -  A primeira que ouvi antes de ouvir o album todo, estava viciado nesta musica desde que a ouvi ao vivo, e a cover acustica feita por um fã, não sei pq me lembra a atmosfera de Taking Over me.Ao ouvir a versão de estudio umas 3 vezes, achei muito estranha, não gostei, achei os backing vocals muito gritantes, mas após ouvir o cd o dia inteiro ontem, ela continua sendo uma das minhas favoritas

My Heart is Broken - Se encaixa perfeitamente ao final de The change, é uma linda balada romântica, com certeza irá virar single...apesar de ser meio "melosa", eu curti muito a musica, nos remete a uma atmosfera bem Evanescence tbm, como antigamente

The Other Side - Muito diferente das antigas musicas do Evans, a batera mais pesada esta presente, é bem agressiva, mas continua me lembrando a banda de antes. A paradinha no solo de piano, é muito boa.Característica do Evans, a letra é muito boa tbm. Grandes chances de ser single

Erase This - Me assustei no começo, por causa das notas muito altas do piano,que soam "felizes" não entendo muito de musica, mas segundo meus ouvidos, as notas que a Amy costumava usar eram bem mais baixas...Após ouvir muitas vezes, a musica tbm grudou na minha mente.Excelente som!O solo de piano e bateria tbm arrebenta!

Lost In Paradise - Desde o Preview, era a musica que mais tinha vontade de escutar inteira, que mais apostava, e com certeza pra mim é a melhor balada dos 3 albuns, melhor que My Immortal, pq não é tão depressiva, passa mais emoção na parte que entram as guitarras, tem tudo pra ser single, daria um Ótimo Clipe.Mais uma das minhas favoritas do Album.Isto porque não curto muito musicas pra baixo, tanto é que raramente escuto my immortal, que até funkeiro curte né ?rs

SICK - Tbm me assustei um pouco na primeira ouvida, mas é uma canção muito boa, mostra o novo Evanescence, mais pesado e agressivo, com efeitos eletrônicos e tudo mais, Já viciei tbm, o refrão é bem REPITITIVO , mas...tem que ser comercial também né?

End of the Dream- Também é uma das musicas que mostra a nova banda...mas gostei na 2ª vez que ouvi, a musica tem excelentes agudos da Amy que está cantando muito!

Oceans - Me decepcionei quando ouvi ao vivo, esperava mais dessa musica, uma atmosfera mais OCEÂNICA kkk se é que me entendem, mas no album tbm esperava mais, apesar de ter adorado a musica na versão de estúdio que na minha opnião é melhor que ao vivo, com os Backings que dão uma profundidade maior a musica. Só achei que a orquestra no final não combina muito com a musica rs...ah não ser que ela entrasse não só no fim, mas também no decorrer da musica.

Never Go Back - Fiquei Assustado mais uma vez, pq esperava muito desta musica, que fala sobre a tragédia do Japão e tudo mais, esperava uma canção mais profunda, épica, com Orquestra, afinal foi dito que a canção é bem épica e tudo mais, imaginava uma atmosfera parecida com Lacrymosa, e ao ouvir pela primeira vez, achei a musica, tão pra cima, Tão feliz, não esperava que fosse algo depressivo, mas com mais "emoção" , "densidade" se é que me entendem.Após ouvir muitas vezes,achei mais agressiva, mais emocionante...e gostei do piano na muisca, que em uma parte até me lembra Nightwish, as notas la em cima, assim como NEMO.Viciei agora tbm rs

Swimming Home - Achei infantil, e feliz demais assim que escutei pela primeira vez, já na segunda, achei a musica, tão doce, relaxante, vocais excelentes, a Amy esta com uma voz de anjo, os efeitos eletrônicos tbm estão muito bem empregados, tbm é uma das melhores baladas do cd, possui uma boa letra, que realmente como ja vi comentarem, conversa com NEVER GO BACK, como se fosse quem está do outro lado conversando com quem ficou, se desculpando por ter ido e talz.

Após uma auto-lavagem cerebral, ouvindo o dia todo, gostei do cd, espero que tenha musicas no DELUXE, que tenham a presença maior de orquestra.

Adorei o fato de que as guitarras estão mais presentes do que nunca

.

O album é bom, não é superior ao TOD, mas é muito bom

 

 

 

 

 

 

André Lee ®

imagem de gabsgabs13

Eu adorei o novo álbum

 Não sei porque tem tanta gente criticando o álbum, eu AMEI ele pra mim foi um senhor presente.Ainda vo ter que ouvir algumas vezes pra saber se supera o TOD, que é meu xodózinho, mas concerteza supera de longe o FALLEN, pra mim até agora as músicas que eu mais gostei tão assim, da que eu mais gostei pra que menos gostei:

1)Oceans (mto fodaaaa, tem que ser single)

2)The Change (tb mto foda, da um desejo de sair pulando por aí kkk)

3)Lost In Paradise (melhor balada que eles já fizeram concerteza, My Immortal quem?)

4)Never Go Back (voz da Amy, guitarras, e principalmente a letra são mto marcantes)

5)Made of Stone (bridge sensacional e refrão cativante)

6)My Heart Is Broken (outra balada com a banda mto bonita)

7)The Other Side (batida e refrão ótimos...)

8)Sick (refrão não sai da cabeça, realmente mostra o lado mais metal do Ev)

9)Erase This (batida boa, me lembro de algumas do TOD)

10)What You Want (realmente não precisava ter sido o primeiro single mas ainda sim a música é ótima por te querer fazer correr alucinado pela cidade kkk)

11)Swimming Home (música bem relaxante, fechou o álbum de maneira legal e tranquila depois do estouro que é Never Go Back)

12)End of the Dream (tb gostei só não achei nada de mais...talvez escutando mais vezes começe a gostar mais)

Amei o álbum, a única coisa que eu crítico é a similaridade da guitarra em algumas músicas, mas acho que isso pode ser corrigido no próximo álbum, Amy arrasando como sempre, Tim dando uns ótimos acordes tb e o Will então, bom acho que é óbvio que substituirem o Rocky foi uma excelente idéia, o cara arrasou mto nesse álbum....

Enfim não quero dar uma de crítico especializado, mas sei que esse álbum ARRASA, e concerteza já vou arrumar o espaço na prateleira pro Deluxe, sabe que tem mais 4 músicas por vim me deixa ainda mais animado....

VIDA LONGA AO EVANESCENCE!!!!!!!!!

imagem de NoitaMina

Gostei hein.

Acho que eu fui uma das poucas pessoas que não se decepcionou exatamente por estar esperando o óbvio: primeiro álbum da banda(ou melhor com essa formação), erros aqui e ali, mas no geral um bom álbum.

Concordo que ele soa homogêneo, tem vários hits(fora WYW e My Heart is Broken que são piegas. Mesmo assim gostei de MHiB, mas o resto tá melhor kkk), senti falta de mais baladas, porém veio com um gás que os álbuns anteriores não possuem. Isso me fez gritar de alegria. A sensação que eu tive é de ter escutado um álbum feito pra show ao vivo (exceto Swimming Home que é mais calma), vigoroso, eufórico e expansivo.

Em alguns momentos senti excesso nos efeitos, seja na voz da Amy, seja no corpo da música. Aliás, o álbum todo sobra nesse quesito, podiam maneirar no próximo. Lost in Paradise é como a versão de My Immortal com guitarra  só que mais sofisticada, gostei bem mais da incorporação delas aqui, parecem acentuar o clima de vastidão da música. Com certeza é aquela que eu vou achar linda tanto no original quanto num acústico.

Já outras faixas para mim não estão na sua melhor versão: The Change soa mais poderosa ao vivo e Oceans tem uma introdução digníssima nos shows, mas no álbum... não sei pq não deixaram daquele jeito. Deu vontade de matar alguém. -q

Enfim, por um lado soa fraco em comparação aos anteriores, mas individualmente tem uma pegada muito boa e com músicas que oferecem a possibilidade de surpreender futuramente(hoho, vcs não esqueceram das versões acústicas né? xD). É como ver a banda renascendo mesmo, ainda estão engatinhando, mas tem tudo pra chegar no clímax. Agora é refinar essa dinâmica e começar a explorar o leque de cartas.

imagem de Sawyer

Concordo

 Sim esse album não é só a Amy e as dores amorosas e afins dela, é um cd de uma banda inteira e sinto muito, com músicas "rápidas" e "pesadas" como as do novo cd o povo queria que ela cantasse sussurando.#peloamordedeus concordo que tem efeitos de mais e gritos tbm, mas reclamar que ela ta cantando muito alto ou gritando e demais. A Cristina Scabbia grita deito uma gralha na minha opinião, e nem por isso deixei de gostar dela. Todo pokemon evolui, e sinceramnete acho que tem pessoas que não gostaram do cd porque não é  aAmy sussurando e chorando o tempo todo as magoas pessoais delea e se fosse assim iam falar que é Amy e musicos contratados e não uma band

 

Reclama demais essa é minha opinião

 WAIT FOREVER FOR YOUR LOVE!

 

imagem de NoitaMina

Olha, nessa questão dos

Olha, nessa questão dos gritos eu tbm senti quando ouvi das primeiras vezes. Só depois de realmente degustar as faixas em separado é que notei que não tem diferença dos gritos do TOD, só que em algumas tem um efeitinho FDP que faz um eco desnecessário na voz dela. As músicas já são agitadas e barulhentas por si só, acho que não precisava disso. Tbm tem uns momentos em que a voz dela é replicada ou abafada e dependendo da música fica bom, mas em outras foi só pra fazer zuada mesmo(eu AMEI Sick, mas podia ter ficado sem aquele efeito estridente quando ela repete o refrão sem os instrumentos). Enfim, como já disse, pra mim sobrou em efeitos, mas tá bom e tem condição de melhorar(ao menos nessa parte técnica).

Agora sinceramente? Acho que esse cd vai ser subestimado da mesma forma que TOD foi. É verdade que tem coisa ruim nele(e é importante a gente ter consciência disso), mas tbm tem algumas realmente boas. A primeira impressão não é das melhores ainda mais com esse problema da uniformidade, mas é questão de dar tempo ao tempo pra apreciar o que ele tem de melhor. Nem todo mundo vai conseguir fazer isso já, talvez demore mais, talvez nunca aconteça. Tem gente que até hj não gosta de TOD, mas é questão de feeling, tem que saber levar né. Eu pessoalmente gostei demais da atmosfera desse álbum e nesse quesito prefiro ele a TOD, só falta aparar as beiradas e polir. Eye-wink

 

PS: Putz, escrevi um jornal. O____O

imagem de Sawyer

Concordo com o que voce disse

Concordo com o que voce disse num proximo album eles precisam polir mais essa nova fase, mas em si to curtindo pacas essa onda mais pesada e menos chorosa do Ev.

 Verdade muita gente diz que o TOD não é comercial e blabla bal, e agora tão dizendo que esse ta comercial demais.#nãoseioqueessepovoquer .Reconheço que tem musicas que ose feitos estão demasiados, mas o album em si é otimo. é um novo Evanescence não é mais o Ev do Fallen ou do Tod.

 

Enfim que venha uma turnê, novos clipes e td mais...

 

 

 WAIT FOREVER FOR YOUR LOVE!

 

imagem de Francy_Agonista

 Oceans tem uma introdução

 Oceans tem uma introdução digníssima nos shows, mas no álbum... não sei pq não deixaram daquele jeito. Deu vontade de matar alguém

 

Pensei exatamente a mesma coisa quando escutei.

 Nec spe, nec metu.
imagem de andressa fonsecaa

entao, li que muitas pessoas

entao, li que muitas pessoas gostaram de swimming home e que as guitarras e afins estragaram a LIP, é bom lembrar que foi a banda e o produtor que quizeram inserir a banda na musica, pq a principio a amy queria so o piano na LIP, e a swimming home é como se fosse um projeto solo da amy incluida no album, tenho quase certeza q essa musica e 100% amy (acho ne), nao da pra esquecer que antes eram 2 pessoas pensando, criando, e fazendo musica, agora foram 5...era obvio que nao ia ser oq nos estavamos costumados ao ouvir, a banda participou muito da criação!!! e espero q nao se ofendam, mais gente fala q a amy nao ta conseguindo acompanha a banda? comoassim??? como alguem disse, o computador ta ali pra isso, pra nao deixar o artista cair, oq o diferencia e mostra se ele é um bom cantor é o ao vivo, e nisso tenho certeza q a ela da conta!

eu achei o album bem diferente na verdade, ele me da a impressão de ser um alum nao tao produzido, uma coisa mais simples, eu gostei muito dos pianos, realmente ele nao esta a altura do TOD, pq nao é a mesma atmosfera, nao era a mesma intenção da banda, eles lançaram oq desde o principio era a proposta deles, eles nunca declaram que seria melancolico, cheio de coros e orquestras e bla bla como era antes, eles lançaram exatamente oq eles quiseram! acho q ela ta cantando muitooooooo, e acho q ao vivo sim, vai ficar MUITO bom, na verdade o ao vivo me encanta sempre mais! acho q o album tem musicas sim maravilhosas e as nem tanto, eu amei my hurt is broken, erase this, swimming home, never go back, mais acho que a end of the dream e a sick, sao uma mistura de todas as outras! mais eu nao consigo vim aqui e expressar ja uma opinião tao formada sobre as musicas, eu preciso ouvir muitas mais vezes pra sacar a musica de verdade, primeiras impressões nao são as que ficam!!

e ainda tem as do deluxe, que provavelmente serao mais diferentes ainda, ja que eles quiz fazer uma continuação de musicas, oq nao se encaixou eles jogaram pro deluxe!!!

so nao esquecendo q esse album nao é amy, amy e amy, e todos, e se engana quem acha que os meninos estao na banda so pelo amor e nao pelo dinheiro!!! eles tbm querem dinheiro, assim como 99,9 % da humanidade, somos capitalistas!!!, infelizmente

imagem de DSTV

Eu sou comunista. Só não sou

Eu sou comunista. Só não sou sovietica porque isso já acabou faz tempo, mas eu estou mais para um Comunismo Cubano, tem lá seu lado capitalista e seu comunista interno. Mas tem isso mesmo do capitalismo, é um ciclo que por mais que se tente fugir, acabara te pegando.

 

imagem de Francy_Agonista

 O que eu acho errado no

 O que eu acho errado no comunismo, uma coisa que descobri qdo lutava judô, porque Cuba é uma potência enorme nos esportes,mas porque tem a questão da obrigatoriedade, eu acho isso uma sacanagem. Mas no caso do capitalismo funciona mais como uma selva em que você pode fazer qualquer coisa( sim qualquer coisa, se tiver poder ,coisas utópicas infelizmente não existem) para conseguir o que se quer. Com essas contradições acabei ficando sem ideologia nesse ponto, anarquismo também não cola bem para o instinto de competição que os humanos tem.

 Nec spe, nec metu.
imagem de andressa fonsecaa

é meio complicado esse

é meio complicado esse assunto, tipo

nao tem como fugir do comunismo...eu mesmo, eu trabalho de segunda a sabado e ainda trabalho 2 ou 3 domingos por mês, e tudo pq??? pq infelizmente eu preciso do DINHEIRO que ele me rende pra poder sobreviver e até mesmo a sobrevivencia por futilidades, e foda admitir mais  é verdade, muitas pessoas, na verdade quase todas e inclusive eu, somos assim, futeis em muitos sentidos!!!

mais eu nunca m apeguei a nenhuma dessas ideologias pq por mais que se corra , vc vive em quase todas, as vezes sem querer e ate sem perceber, e ate pq nao existe uma que seja 100 % correta em todos os sentidos, nada agrada a todos, muito menos a mim kkkkkkkkkk entao prefiro viver a minha ideologia!!! essa é a melhor,....pra mim logico.

(ainda bem que estou de férias, sobra mais tempo pro meu cerebro pensar e refletir sobre esses assuntos ate entao esquecidos por mim kkkkkkkkkk)

imagem de Francy_Agonista

 Nas verdade eu não sou

 Nas verdade eu não sou capitalista não hoho,não tem como eu viver fora dele infelizmente, acho o socialismo ainda pior,mas tento me afastar o máximo qu eposso,consumindo menos,apenas o necessário para sobreviver,meu luxo na verdade são cds shows instrumentos e suas paraflenárias *-*, porque para mim a música é uma ocmida mais necessária do que a que meu organismo pede.

Mas eu vi sim que os meninos participaram muito, dessa vez acho que a Amy que podia ter colaborado mais, também tem as deluxe e tem a versões ao vivo que ficam melhores. E tomara que lance um dvd novo na turnê desse álbum.

 Nec spe, nec metu.
imagem de VlaD

Cd.

Bora escutar de mente e coração abertos.

E tirar as nossas próprias conclusões. Não precisamos de ninguém que nos diga o quê e como pensar.

Somos diferentes, pensamos e sentimos diferente. A questão é simples. Quem não gostou não escuta. Quem gostou escuta e pronto. E desde que existe liberdade de imprensa e de expressão a gente pode falar e escrever o que quiser.

...

imagem de marconi

É ISSO AI GENTE,QUEM GOSTOU

É ISSO AI GENTE,QUEM GOSTOU CURTI BASTANTE,VAMOS TEM UM LONGO PERIODO DE NOSTALGIA,NOVOS CLIPES,SHOWS,ETC...AGORA QUEM NÃO GOSTOU INFELIZMENTE VAI FICAR ASSISTINDO A GRANDE MAIORIA SE ACABAR COM ESSE NOVO SOM.SEI QUE É DIFICIL LER OPINIÕES CONTRÁRIAS A NOSSA AINDA MAIS DE UMA BANDA QUE A GENTE TANTO APRECIA.O NEGÓCIO É CURTIR!

imagem de Francy_Agonista

 E aqui eu concordo com você.

 E aqui eu concordo com você.

 Nec spe, nec metu.
imagem de VinnyKrat

Expressão - Grito de guerra

Aqui se situa outro post inutil com um conceito não existente no topico e tambem possuindo coisas já abordadas até por mim!!! Será que estou virando idolo? #Suspense#

imagem de VictorLeeonEV

Evanescence...

Evanescence é evanescence, eu gostei das letars e das músicas SH realmente é fraca, mas o cd não é infantil, como ja falei nem jesus agradou a todos o Ev tbm não agrada, tenho certeza que vai ser sucesso e que a Amy não pensou apenas no lado comercial nesse albúm, porra e a voz da Amy está limpa, madura falar que ela tentou cantar e n conseguio porra é a Amy lee não é qualquer cantora não e a banda voltou com um estilo diferente mas ainda continua o evanescence ou seja é o inicio de um novo evanescence nõa significa que é uma banda iniciante isso é fato, podem n gostar, críticar que eu adorei o novo cd e que não gostou da voz ou do cd n esculta pow ou entõa faz melhor que a Amy.

imagem de Shinigami

 eita ferro . ..aew depois a

 eita ferro . ..aew depois a fancy quer q eu preste atenção em todos os post...

olha aew, um bom exemplo de post inutil. (feito apenas pra falar mal daqueles q não gostaram de todas as musicas)

se evan é gotico justin tb é... 

 
 
 
imagem de Francy_Agonista

 Pois é, me desculpe,

 Pois é, me desculpe, reconheço errei aí, post inútil no IE não falta.

 Nec spe, nec metu.
imagem de VlaD

Eu gostei.

No começo foi estranho. mas gostei.

Quanto as inúmeras resenhas que ando lendo por aí: nunca acredito em resenhas.

Ótimos trabalhos as vezes são injustiçados pelas resenhas.

O Fallen e o TOD, pelo que li, contabilizei mais resenhas NEGATIVAS.

Não me interessa a parte técnica, no caso do Evanescence, pois minha ligação com a banda é de outra ordem. Eu escuto e sinto algo que toca em mim. Se Amy tá cantando melhor ou pior, ou se o arranjo, ou se a guitarra, ou seja lá o que forr... isso não me interessa, não sou crítico musical.

Odeio críticas, como a maioria dos artistas as odeia também. Nâo servem para nada a não ser revelar a opinião pessoal da pessoa que escreve, pessoa esta que usa de conhecimento técnico para tentar prever o que as pessoas irão sentir ao ouvir o disco (no caso do cd), fazendo uma generalização de um trabalho tão complexo, em poucas linhas falando de algo que levou tanto tempo para ser feito e não levando em consideração as motivações e desejos do artista ao fazer determinada obra, sempre fazendo comparações absurdas e contraditoriamente cobrando mudanças, mas também cobrando mesmice. Eles cobram o que querem. O artista faz o que ELE quiser. E goste quem gostar.

...

imagem de Francy_Agonista

 Se você odeia  críticas só

 Se você odeia  críticas só significa que você é mimado e quer que gostem de tudo o que você faz e que nunca te contrariem.

Trabalho complexo? Bem você mesmo disse que não entende nada de música então não pode falar isso.

O que ele quiser? Bem Ev é uma banda muito famosa, sinto te dizer novamente que  agravadora não vai deixar a banda fazerqualquer coisa.

Review para as pessoas terem ideia ? Não dedicamos nada para ninguém apenas postamos nossa opinião sobre o álbum, goste ou não, as pessoas devem aceitar opiniões diferentes. Só analisando os defeitos é que se pode evoluir, s evocê se afoga me elogios jamais vai querer melhorar.

O que eles sentiram ao fazer? Bom até agora a Amy mostrou que estava sentido vontade deganhar muito dinheiro,os meninos trazer um som pesado que a Amy estragou.

 Nec spe, nec metu.
imagem de VlaD

?

Primeiro: eu me refiro aqui a resenhas. Porque criticas construtivas eu aceito e acho benéficas sim, mas as que estou lendo não achei muito confiáveis, muito cheias de juízo de valor. E juízo de valor não se pesa em crítica nenhuma. VocÊ nem sabe quem eu sou, portanto não me chame de mimado.

Segundo: eu não falei que Este trabalho em especial estava complexo, você não entendeu, muito embora ele esteja. você que é tão esperta em música deveria se aperceber de alguns detalhes que tornam a coisa complexa. Ter muitos instrumentos e camadas de som, além de efeitos e tudo mais torna um trabalho complexo, goste você ou não. Além do tempo de planejamento e o trabalho envolvido, isso também conta para a complexidade, portanto "grande crítica musical" calmaí com a soberba e va saber compreender o contexto das palavras que você lê.

Terceiro: o que foi sentido ao fazer o album eu não posso dizer pois não estou perto nem conheço a Amy lee e companhia. Se ela está sedenta por dinheiro ou não, isso não faz parte do meu conhecimento, é leviano da minha parte julgar o comportamento dos outros, uma vez que não quero que julguem erroneamente o meu. Para se entender o todo tem-se que ter o verdadeiro entendimento desse todo, decidir o que uma coisa é apenas visualizando uma parte vai conduzir ao erro. Visão gestaltica, da qual não muito comungo, mas acho interessante esse conceito do todo. Então, sobre o que a Amy É ou deixa de ser não faz parte do meu entendimento.

como já falei, gostei do cd sim, não porque ele seja mais ou menos pesado, bom ou ruim, melhor ou pior do que os outros. Isso é juízo de valor. O porquê de eu ter gostado é inexplicável.

...

imagem de Francy_Agonista

 Vlad você usou ódio, é uma

 Vlad você usou ódio, é uma palavra pesada, se você dissesse que não gosta eu teria entendido,porque não é agradável escutar algo negativo, então você também deve avaliar peso das palavras. Depois de suas críticas tento avaliar ainda melhor, porque discordar é normal, mas a maior parte dos julgamentos aqui estão sendo mal interpretados por falta de ocmpreensão dasduas partes. Já notei isso também. 

Na verdade não sabemos quanto tempo levaram para compôr esse álbum especificamente,falam que levaram dois anos, mas  EU creio que dois anos para descartar muita co isa. Não levei complexo pela quantidade de instrumentos efeitos e edições porque eu prefiro como asmúsicas eram gravadas antigamente.E para mim o que conta é o resultado mostrado nas músicas, se bem que as vezes gravações ruins atrapalham, mas é um caso a parte. E você também não tinha especificado que falava  do processo. Além disso, eu prefiro escutar músicas ao vivo,poruqesó assim os músicos mostram o que fizeram,e o que o computador enfeitou.

Eu sei que não conhecemos ninguém da banda para julgar,mas até agora a Amy ME deu a entender isso. E particulamente eu não tenho compaixão para levar em conta o que estavam passando ou sentindo no decorrer do álbum porque esse é um trabalho. E devem lançar quando julgarem que foi competente,ao meu ver não foi. Claro que existe apressão na gravadora e outras ocisas amis que já falei aqui, e não quero ficar repitindo igual as músicas desse álbum.

 Nec spe, nec metu.
imagem de VlaD

...

Só reitero que acho muito importante que se leve a intenção do artista em consideração, seu desejo, mas é o que EU penso.

Achei competente o instrumental, mas Eu não gostei de fato dos efeitos na voz dela.

Enfim, francy, concordo com muita coisa que você diz. Eu preferia a sonoridade antiga também, gostava das vocalizações menos gritadas, mais fechadas, mas fazer o quê?

Pessoalmente gosto muito da banda e, mesmo que tenha aspectos dos quais não gosto e que mudaria, continuo ouvindo e, no caso desse novo cd, gostei desse acrescimo de peso no instrumental

EU mudaria MUITA coisa, mas isso diz mais respeito a MIM mesmo, não sei se vocÊ está compreendendo o que quero dizer. Se dependesse de mim o Evanescence ia lançar um Fallen todo ano, uma variação louca dele, um cd cheio de sussurros, e que cada vez mais carregasse em letras sombrias e mórbidas, pois eu gosto muito da estética mórbida, sombria, etc. Mas não é o caminho que a banda está tomando.

Mesmo assim ainda gosto muito da banda. Gostei desse cd, mas não de cara e não de tudo, tem coisa que não desse.

E como falou um colega em cima, nossa opinião não vai mudar nada né?, rs...

...

imagem de Francy_Agonista

 Entendo sim o que você disse

 Entendo sim o que você disse Vlad.

Não achei o cd ruim não, só que as repetições desvalorizaram muito, aí quando eu gostava de alguma música vinha uma outra com os mesmos itens  e então banalizava tudo. =/

A minha sensação foi a de entrar numa sala cheia de robôs (ou qualquer outro item) todos iguais, eu poderia até gostar do modelo,mas como todos eram o mesmo perdia todo o brilho. Foi isso que aconteceu comigo.

Mas estou aí apoiando a banda e torcendo por ela, se no próximo álbum acertarem o peso com os vocais provavelmente teremos o melhor álbum do Ev.

 Nec spe, nec metu.
imagem de VlaD

...

...

imagem de M.Vrëth

 Pronto, disse tudo, ownou no

 Pronto, disse tudo, ownou no comentário, eu adorei o cd, adoro a voz da Amy Lee, e quem não gostou não escute, simples assim Eye-wink

 M.Vrëth

imagem de M.Vrëth

 Tsc...opinião é uma coisa

 Tsc...opinião é uma coisa tão pessoal quanto sua música, quando vc a cria...

Tentativa não, o álbum está pesado, apesar da vocalista tentar dar um ar mais cru a suas interpretações, seu timbre sempre deixará mais suave e sombrio, no modo de cantar. Isso é questão do timbre, e existem por aí milhões de bandas bem pesadas com vocais muito mais delicicados que os da Amy, muito mais delicados mesmo, e ainda assim soam pesados, enfim...

Como uma frase ilustre dita por Christina Scabbia à entrevista à Roadie Crew uma vez, perguntada sobre as críticas ao novo estilo do Lacuna  ela disse: "Se você não gosta do Lacuna Coil, bom pra você, existem um monte de bandas por aí pra você escutar".

O do Ev pra mim é um ótimo disco, apesar de concordar que é homogênio e radiofônico mesmo.

È só mais um disco do Evanescence, como diz o título do álbum, e quem não gostar, e achar muito mais do mesmo, é só não escutar. =)

 M.Vrëth

imagem de André Lee

Assino embaixo

só mais um disco do Evanescence, como diz o título do álbum, e quem não gostar, e achar muito mais do mesmo, é só não escutar. =)

André Lee ®

imagem de VinnyKrat

Tentativa não significa vazio

Quando me referi a tentativa, não desconsiderei que não possuía nenhum traço, na verdade tem muita chance de ser melhor, mas fica limitado, o vocal da Amy pode ser o que for, mas na musica não ficou trabalhada, sendo inferior a tentativa dos meninos de fazer algo, poderia ser melhor, mas não tem esforço para ser, ela aparenta achar que sua voz é bonita naturalmente (juntamente com o elemento incasor nomeado piano), pensa que ficaria boa de qualquer forma, no que resulta muitas vezes saindo da ideia dos intrumentos dos meninos e os obrigando a acompanha-la, quebrando todo o ambiente e o estragando sempre.

Agora em questão a Cristina Adriana Chiara Scabbia (Vocalista do Lacuna Coil, não fundadora), ela disse isto em relação a pessoas que crucifixam o som, mas mesmo assim não é necessario estas palavras, alem disto, se seus pais brigaram com você querendo o melhor para ti, se não gostou caia fora da casa e pegue tudo que gastaram para criar você. Por mais que tenha sido um artista que tenha falado isto, não existe nenhuma ordem ou mandato nisto, o artista não é superior ao fã e nem o contrario, porque nenhum dos dois existem sem o outro, é tudo do mesmo nível, não tem porque se sentir inferior e obdecer ou submeter ao que dizem.

imagem de M.Vrëth

 Nhe, concordo empartes com

 Nhe, concordo empartes com vc, mas ainda assim não acho que a Amy tenha estragados os vocais, tenho estudado canto lírico e popular por um ano, sem querer me gabar, e acho que só esta mais pop como ela mesma disse, mais cru, querendo soar mais agressivo, isso é consequencia do timbre, soar agressivo ou não, memso ocm técnica pra isso. Tobias Sammet por exemplo, é tenor, tem voz suave, usa atualemnte técnicas pra soar agressivo e fica uma bosta ao meu ver, preferia ele antes com a voz mais limpa, enfim. Na minha opinião, Amy Lee está cantando muito, tanto que ela cantando GU ao vivo ta dando show, e no cd está bem direto, faltou alguma coisa aqui e ali, mas não ao ponto de desmerece-lo.

 M.Vrëth

imagem de VinnyKrat

Tudo não muda após ali...

Ao meu ver a Amy não trabalhou nada no vocal, ela só estava prolongando as palavras ditas e sempre usava o mesmo estilo em uma musica na outra, o som tenta trazer um ar melhor, ela tenta acompanhar mas não consegue e no final tudo vira pop e nada do que no começo parecia ter futuro para outra coisa, o começo de algumas musicas podem até chegar a dar atenção, mas no final tudo fica igual, no começo parece dar um ar, mas no fim tudo se resume ao mesmo. Não vejo um vocal recheado de surpresas e emoções, principalmente quando já esta na metade da musica, ou melhor dizendo, chegando, durante, ou após o refrão. Podesse notar que ali tinha futura para ser melhor, como estava prometido a ser, mas não foi, o motivo esta na falta de trabalho do vocal, os instrumentos fazem todo o serviço enquanto ela aparenta achar que só falar esta bem, a voz dela cantando natural pode parece para ela que esta bem para seguir na musica, mas não é assim, faltou trabalho da parte dela, porque o natural, como disse, destruiu o ambiente.

imagem de VinnyKrat

Review - Evanescence (Álbum) - By Francy & Vinny

WYW: Tudo que tinha a falar sobre ela já havia declarado, de longe é a pior música do Ev. Instrumental com potencial, mas letra fraca e repetitiva que não tem sentido algum (letras sem sentido parece ser uma característica desse álbum), além é claro do vocal extremamente pop que mais me parece uma tentativa fracassada da Amy por um vocal mais agressivo.  Além disto, tenta transmitir sentimentos rítmicos em todo o momento, chegando a ser enjoativa por falta de criatividade, com muita repetição fala o que o álbum tem a mostrar pela frente.

Made of Stone: Poderia considerá-la uma boa música se eu não tivesse escutado as restantes. Uma canção com potencial para trazer uma áurea mais suja para o Ev e jogar fora a atmosfera que a banda tem de ser para meninas. O problema é que a Amy não sabe deixar a música agressiva e a letra fica forçada demais querendo bancar uma garota durona e perdendo o sentido. No instrumental, começa com riffs new metal recordando de Everybody´s Fool, depois entra um sutil toque de piano, que mistura um toque de inocência como se parecesse brincar com a entrada suja. Um problema que segue, típico do álbum, é que depois do primeiro refrão tudo vira um replay, nada se acrescenta. Por fim após o segundo refrão os instrumentos cessam e vem o que estraga a música, entra um piano que quebra toda atmosfera agressiva, mas logo some quando o vocal entra se destacando cada vez mais, seguido dos outros instrumentos que vão surgindo com a intenção de aparecer, entretanto logo somem, onde fica somente no final o vocal agudo (como sempre) se sobressaindo, seguir há um solo simples que poderia ser mais extenso, segue a repetir algumas frases até parar de repente.

The Change: Devo ressaltar, no estúdio essa música foi uma decepção completa. O objetivo da canção é ter um som mais atmosférico, entretanto no estúdio fica extremamente artificial. A Amy utiliza o tom médio da voz, e depois segue progressivamente aumentando a escala da voz, no intuito de esquentar, porém até chegar num ponto em quem canta a música toda no agudo, tornando-se insuportável. Os backing vocal das diversas edições na voz da Amy só atrapalham, pois ao invés de ser em tons diferentes todos estão no agudo, o resultado é que parece ter várias Amys gritando sem parar durante a música toda, exceto numa pequena intercalação na ponte. Chega a ter um ritmo e uma estrutura igual as outras assim. No estúdio soa bem mais leve, e ecoa um piano por trás, que atrapalha porque, como Made of Stone,  não precisavam de piano na sua atmosfera e quebra o peso que os meninos inutilmente tentam aplicar na banda.

My Heart Is Broken: Algumas músicas expressaram minha reação ao escutá-las pelo título. My Heart is Broken é uma delas, meu coração se partiu. A música começa bem, aos poucos vão entrando os outros instrumentos após a introdução do piano ao vocal da Amy, porém após todos entrarem a música não sai da mesma linha, no máximo volta a introdução com o piano, mas só ameaça esquentar o que a torna enjoativa. O final termina após uma consecução de repetições. Um destaque vai para a letra que é a mais sem sentido do álbum, mais forçada também e acaba sendo mais clichê que a WYW. Tentando trazer um sentimentalismo exagerado para agradar as garotas e utilizando termos a fim de manter o lado ‘dark’ da banda, mas os termos nãos se encaixam e são clichês como Dark Angel. A música no geral acaba soando pop, sendo uma das piores do álbum. Provavelmente será single porque gruda fácil e é sentimental, além de parecer uma continuação da WYW, só que mais calma e direcionada para meninas.

The Other Side: De início pode-se considerar bem melhor no estúdio do que ao vivo, sendo possível lembrar um pouco do crescendo da The Only One, porém menos trabalhado, mas como na versão ao vivo, a Amy acrescenta agudos onde não tem sentido pela letra. O prazer da música acaba quando a Amy lança no refrão a palavra ‘side’ num agudo alto e extenso, nesse momento ela a destrói  Depois do refrão, usa agudo desnecessariamente novamente, porém um groove de baixo com um vocal grave mostra que pode haver esperança. Se segue a ponte, alguns acordes graves no piano, até então mostra estar tudo bem. Entretanto depois começa uma melodia aguda e doce de piano que não combina com a atmosfera da música em sí e com a Amy estendendo as palavras no agudo, acaba terminando a sessão com grave, poderia ser o fim neste momento, entretanto a melodia aguda no piano começa a ecoar com a Amy iniciando gentilmente e então os instrumentos voltam e a vocalista retorna a exagerar nos agudos e cantar dessa vez o refrão inteiro no agudo até o final, que se concluiu pela extensão da palavra ‘home’ com alguns riffs new por trás, final muito comum para músicas antigas do Ev, mostrando novamente repetições.

Erase this: =====> Erase This! Lembra a My heart is broken acelerada e a introdução acaba recordando de toques de celular. Música se inicia rápida, porém a Amy não consegue acompanhar e começa abusar de agudos extensos para tentar aplicar uma emoção, com isto o som quebra a sua velocidade para se ajustar a voz do vocal o que consegue tornar a música pior, porque a única coisa que segue a fazer é continuar a estender as palavras. Acaba ocorrendo o já famoso problema do álbum, a música se sucede com incessantes replays terminando após o término de uma extensão de “lie” seguindo para riffs alternados das duas guitarras, até terminar.

Lost in Paradise: A balada do álbum que parecia prometer muito. Inicia com um piano que lembra a primeira versão da My immortal, depois a Amy entrar cantando como se estivesse conversando consigo mesma. A música segue bem até a guitarra entra de vez, muda todo o destino, até este momento aparentava ter potencial, mas ela morre na verdade neste momento, no qual teve oportunidade de por emoção, mas não o fez. No final a música cai na mesmice de entrar num agudo quase sem fim na ponte para tentar deixar um sentimento mais forte, porém a balada acaba sendo uma qualquer e inferior à muitas outras anteriores, como até a Good Enough,que apesar de ser extremamente romântica, a Amy soube pôr agudos e graves no seu devido lugar.

Sick: Melhor introdução do álbum, mostrando logo ser diferente das demais. Traz a sensação de um metal frio. A música traz um toque especial no estribilho doce e irônico. Chega um refrão com frases repetitivas e  catchies mas com um termo que pode soar pesado para a ideologia típica do Ev, “Sick”. Entretanto, infelizmente, não soa tão bem na voz da Amy, mas o vocal dessa música foi um dos mais acertados. Porém o refrão termina similar ao da The Change. Na segunda parte o baixo se sobressai ao lado de um piano e se segue a guitarra do início mantendo a áurea apesar do refrão grudento. Enfim vem a ponte em que a vocalista de novo exagera nos agudos, bem menos que nas outras, todavia a atmosfera ainda é rompida. Para disfarçar as repetições segue uma paradinha com as frases catchies, por fim o refrão repete e a canção se encerra com o mesmo final da primeira vez em que o refrão soou.

End Of The Dream: Fim do sonho literalmente, aqui acabou toda a criatividade. As músicas não trouxeram nada novo, mas essa parece ser a soma de todas as mesmices, todos os itens que se repetem nas anteriores se encontra nessa faixa. Entra no intuito de mostrar atitude, porém nesta fracassa igual a todas anteriores desta tentativa alheia. Alguns segundos bons como uma paradinha e só, Amy não sabe acompanhar o instrumental e tampouco valorizá-lo, sempre a mesma coisa enrolando tempo. O final é o pior entre as 12, termina após repetir o refrão repentinamente.

Oceans: Ou The Change 2. Nessa a introdução é melhor ao vivo, porém o refrão no estúdio, onde ecoa um backing vocal por trás dele que acrescenta um ar especial. O vocal do início é excelente, mistura súplica e desespero, porém a introdução nada tem a ver com o mesmo. Após isso a faixa segue o mesmo rumo de The Change, finalizando com violinos e violoncelos que nada combinam. Além disto, no final o vocal começa a se voltar sempre no mesmo ritmo em terminar suas frases no alto, repetidas vezes por um longo período.

Never go back: Começa bem, aparenta se destinar a um som mais cru e agitado, entretanto(até cansa isso), Amy retorna de novo para estragar a música tentando incluir um ar mais dramático sempre do mesmo jeito, agudo e estendendo as palavras, forçando um ar melancólico que não consegue colar na música. O resultado é que a canção segue um rumo totalmente contrário à sua atmosfera inicial, o vocal obriga aos demais instrumentos se limitarem, em velocidade, a si para não deslocar mais do que se encontra a sonoridade, o elemento invasor nomeado de piano volta nesta musica, mas tenta ao máximo trazer um ar misterioso sem destruir a sonoridade agitada e bagunçada feito no decorrer da musica. O instrumental é bom, mas no geral a faixa soa bagunçada.

Swimming Home: A melhor música do álbum, que por acaso nem parece ser dele. Após escutar 11 musicas com vocais graves e agudos e sons com o intuito de ser pesado, aparece uma musica com o ar da calma e tranquilidade de certa forma. A única em que a vocalista soube por alinha vocal sem ser extravagante, até de forma simples, mas fazendo a mente de quem houve viajar por lembranças tristes ou imagens calmas que o faz relaxar. A única inovadora do álbum e em que a Amy pareceu mais a vontade sem se forçar tanto na linha vocal como na letra. Um toque doce e sutil de harpa mais uma guitarra melancólica com uma batida eletrônica fazem círculos ao lado do vocal no decorrer da canção.

 

Conclusão do álbum by Francy: Não é ruim, mas não consegue ser bom. De início as músicas até demonstram potencial, porém por fim soam todas iguais e simples. Ao mesmo tempo a introdução de cada uma não combina com o término da anterior, falha do track list. O álbum traz uma idéia de tentar ser pesado, mas a Amy não só não acompanha como acaba estragando o instrumental. As falhas que já tinha visto nas quatro liberadas inicialmente estão presentes nas demais. Tampouco o álbum é inovador, todos os elementos presente já se encontravam em trabalhos já feitos pela banda, parece até que quiseram juntar o instrumental trabalhado do TOD com o apelo comercial do Fallen, e resultou num álbum em que as faixas soam iguais.

 

Conclusão do álbum by Vinny: Muitas músicas com a mesma idéia, chegando a tocar quase iguais, vocais em tom altíssimos graves e agudos em momentos desnecessário com intuito de passar emoção, porém só teve sucesso em fazer ficarem enjoativo, instrumentos tentam mostrar que tem capacidade para algo, mas ficam limitados. Interseção das musicas totalmente inexplicável, chegando até assustar, visto na passagem da The Change e My Heart is Broken, no qual a segunda inicia com fragmentos da anterior independente da situação. Enfim, não possuiu nenhuma inovação que venha a superar seu antecessor, sendo que são extremamente poucas que passam a ser boas, particularmente, somente a Swimming Home, enquanto o resto mostra estar enrolando ou precisavam de mais trabalho para ficarem realmente aceitáveis as expectativas feitas no mínimo.

 

imagem de DSTV

Eu estou pensando o meu a

Eu estou pensando o meu a respeito do álbum, não pude expressar muito, devido a trágicos problemas que se decorreram entre mim e o site, é triste, mas nos domingos é quando minha internet mais deixa a desejar. Referente ao álbum, nenhuma surpresa, uma mesmice quase enlouquecedora, nada que receba um grande merito criativo, nada que me lembre todas as expectativas feitas, o álbum não tira o mérito do seu antecessor , é apenas "radiofonico" ao máximo. É tão homogeneo que eu não sei nem ao certo descrever. É tipo quando você conhece alguém e não fala com ela, não gosta e nem desgosta. 

 

imagem de Francy_Agonista

 Jessie, é exatamnete isso

 Jessie, é exatamnete isso que achei do álbum e vc não é a única a ter problemas com o site. Desde que o álbum vazou eu estou tendo.

 Nec spe, nec metu.
imagem de DSTV

Também havia notado isso após

Também havia notado isso após o vazamento, somado a minha linda internet de domingo, fica uma lindeza só. Espero que como músico de trilha sonora, eu consiga pelo menos pagar uma Velox D:

 

imagem de Francy_Agonista

x.x

 No meu caso, para eu ter uma net melhor o primeiro passo seria eu me mudar do fim do mundo onde eu moro. Net boa aqui não existe . =/ Quer dizer, para os mais riquinhos do centro sim, mas só.

 Nec spe, nec metu.
imagem de DSTV

Que isso! Onde você mora

Que isso! Onde você mora mesmo? .. Bom, ai é fim de mundo, e aqui começo do inferno (de tão quente), somos vizinhas? '-' 

 

imagem de Francy_Agonista

 Aqui faz muito calor também,

 Aqui faz muito calor também, eo pior que sou alégica ao calor... Itanhaém -SP

 Nec spe, nec metu.
imagem de DSTV

Pois é, aqui é Cachoeiro de

Pois é, aqui é Cachoeiro de Itapemirim - ES , Terra do [MeMata]Rei[/MeMata] Roberto Carlos (Se já não basta o calor, toda vez que é falado o nome dessa cidade, os mais velhos já dizem isso o_o ) 

 

imagem de Francy_Agonista

O.O  Aqui é terra de "neo"

O.O

 Aqui é terra de "neo" indígenas ( neo porque vivem em sociedade e bebendo e deixaram de ser índios faz tempo)... Mas terrinha do Rei (Sem trono )  Roberto Carlos é pior...

 Nec spe, nec metu.
imagem de DSTV

kkkkk, pois é, triste é o

kkkkk, pois é, triste é o cara falar que ama a Terra dele, e viver no RJ o_o

 

imagem de Francy_Agonista

 Mas aí depende do que ele

 Mas aí depende do que ele ama, de que lado da força ele está, certas coisas nunca se sabem... '.'

 Nec spe, nec metu.